Perdi o Emprego - Como evitar que meu casamento acabe

Muitas pessoas buscam entender como evitar que o casamento acabe. Em tempos de recessão económica ou com mudanças de carreira, pode acontecer de um dos cônjuges perder o emprego e gerar um fator de peso na relação entre duas pessoas.

Geralmente, casais que tenham perda de renda e de emprego podem entrar numa zona de conflito e de desentendimento, cujos fatores materiais e financeiros podem sobrecarregar o quadro emocional e psicológico de um casal.

Mesmo casais felizes e juntos pela fé podem sofrer com súbitas perdas geradas por uma crise económica que pode desafiar a união e a felicidade.

MAS, COMO EVITAR QUE O CASAMENTO ACABE?

Na realidade, os casais reconhecem que o que o divórcio é caro e traumático, mas o trauma pode permanecer quando há dificuldades financeiras constantes entre os dois.

Porém, quando não há perdas de emprego e renda, segundo pesquisas realizadas desde 2006, as pessoas que se casaram e permaneceram casadas acumularam quase o dobro do património líquido das pessoas que ficaram solteiras por um período de quinze anos.

A TENDÊNCIA DAS RELAÇÕES

Em épocas de dinheiro escasso e sem cobertura de seguro, casais que possuem um custo de vida e de união mais caro podem sofrer com mais facilidade.

Pois, um casal que está habituado a viajar uma ou duas vezes por ano, a trocar de carro anualmente e a trocar a decoração da casa com grande frequência pode sentir a necessidade de cortar gastos sobre o bolso de um e não do outro.

Dessa forma, o uma tendência nova e fortalecedora no casamento está surgindo. É chamado de mediação de casais.

O QUE É MEDIAÇÃO DE CASAIS

Para saber como evitar que o casamento acabe por causa do dinheiro, a mediação de casal é uma boa dica. Esse tipo de mediação se concentra na substituição de maus hábitos verbais por bons, para revigorar rapidamente o respeito, a confiança e a intimidade no casamento.

Nem sempre a terapia de casal funciona, pois há outros aspetos que podem necessitar de cálculos e reposicionamentos.

Dentre as primeiras orientações é indicado lutar menos e amar mais. Manter conversas de 5 minutos para mudar seu relacionamento sem explodir ou desistir.

EM SITUAÇÕES URGENTES

Mas, e quando o casamento já está desabando? Existem soluções rápidas ou de melhor orientação para ambos? Sim, existe.

1. MANTENHA A COMUNICAÇÃO DIÁRIA

É fundamental manter uma rotina de comunicação diária. Sabemos que o amor é um bem e se deprecia. Instale uma nova rotina de comunicação para aumentar instantaneamente a conexão do amor.

O que você espera, passa a negligenciar, e esse é o assassino silencioso nos relacionamentos. Não demonstrar importância a certos momentos pode prejudicar a vida a dois.

2. NÃO ENVOLVA SENTIMENTO EM TUDO

Busque ter conversas sensatas, se seu cônjuge o acusa de tomar uma decisão financeira egoísta e baseada em suas emoções, provavelmente é. Porém, se você quiser visitar seus pais que moram em outro estado, obtenha os números, os custos de transporte, hotéis, alimentação, entre outros, busque equilibrar fatores.

3. IDENTIFIQUE FATORES

Mas, se um dos dois está trabalhando, é importante rever a divisão de responsabilidades domésticas e de cuidados com as crianças.

Para certos casais e para certos projetos de relacionamento, perda de emprego é um grande golpe. Pois, ele atinge, abala e frequentemente expõe as crenças de género subjacentes relacionadas ao que é trabalho do homem ou do trabalho da mulher.

Na realidade, quando um dos dois perde o emprego, ambos os membros do casal devem ser honestos consigo mesmos e com os outros.

4. PROTEJA A UNIÃO EMOCIONAL

Não crie ansiedades e nem sentimentos de perdas acelerados. Em certos casos, existem pessoas que ficam desempregadas por pouco tempo.

Dessa forma, converse com seu cônjuge sobre o que é informação pública e pode ser compartilhada com amigos e parentes e o que deve permanecer privado como a perda do emprego.

Evite conflitos e brigas. Lembre-se de que a perda de emprego é temporária e o casamento deve ser permanente.

O APOIO

Geralmente, o casamento deve servir também como um apoio emocional e moral para incentivar a pessoa que sofreu um desemprego ou perdas, o cônjuge pode incentivá-lo a buscar novas oportunidades, ou tentar criar um negócio em casa ou até mesmo abrir a própria empresa

PESQUISAS

Esse tema que busca saber como evitar que o casamento acabe tem incentivado diferentes pesquisas. Um estudo recente da Universidade de Harvard indicou que a principal causa de divórcios nos Estados Unidos é o desemprego dos homens.

Outra pesquisa, realizada pela Forbes Woman em parceria com o site norte-americano Yourtango descobriu que 75% das mulheres não casariam com um homem que está desempregado e 65% não o fariam se fossem elas as desempregadas.

Na prática, as mulheres que consideram a estabilidade monetária e emocional fundamentais para o futuro romântico.

Mesmo que o emprego seja importante, 91% das mulheres solteiras disseram que o amor é mais importante que o dinheiro na hora de contrair matrimónio.

A LONGEVIDADE E O EQUILÍBRIO

Perdi o Emprego - A longevidade e o equilíbrio

O trabalho pode colaborar com a longevidade do relacionamento e o resultado da pesquisa só demonstram o quanto a carreira exerce papel importante no romance. Na busca pelo equilíbrio, o desemprego pressiona o relacionamento conjugal por razões óbvias. 

Além do peso financeiro, o cônjuge que continua trabalhando enfrenta seus próprios problemas ao lidar com um ganha-pão familiar desabrigado e deprimido. 

Quando a esposa ocupa um emprego que era secundário e que se torna na única fonte, isso pode causar um peso. Uma mulher nesta situação caminha uma linha ténue entre companheira de compaixão e treinador de fala pesada. 

CONCLUSÃO

Portanto, quando o casal puder prever tal situação é importante investir em economias, negócio próprio ou renovação de currículo para conseguir uma nova vaga.

Assim que possível após a perda do emprego, você e seu marido devem sentar-se juntos e criar estratégias não apenas para a procura de emprego, mas também para evitar conflitos.

Pratique uma atitude que trata o desemprego como uma situação temporária. A rejeição repetida que acompanha uma busca de emprego é difícil, mas as chances são de que um novo emprego acabe surgindo se você permanecer concentrado e deliberado em sua busca.